Aécio CunhaAécio NevesAécio Neves: choque de gestãoPolítica Pública

Fomento à economia: BDMG segue diretrizes do Governo Aécio Neves e desembolsa R$ 1,04 bilhão – marca é recorde e prioridade foram ações de inclusão e sustentabilidade

Recursos do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) atenderam 4.269 clientes em 2009, número 40% maior que no período anterior.  O BDMG desembolsou no ano passado, R$ 1,04 bilhão, 36% a mais que 2008, um marco histórico nos seus 47 anos. Os números foram apresentados nesta quinta-feira (7), pelo presidente da instituição, Paulo Paiva. “Conseguimos ultrapassar o patamar de R$ 1 bilhão e, para 2010, a meta é elevar ainda mais o volume de financiamentos para estimular a dinâmica da economia mineira, desembolsando R$ 1,35 bilhão, 30% acima do que conseguimos no ano passado,” disse.

Paulo Paiva lembrou os compromissos selados pela equipe por ocasião da formulação do Plano Estratégico 2008-2011, quando ficou decidido que o BDMG passaria por um processo interno de reinvenção, partindo de um novo conceito da atividade de fomento em busca da visão de futuro de “ser o Banco indispensável ao desenvolvimento de Minas Gerais” e de cumprir a missão de “ser inovador, parceiro do cliente em soluções financeiras para empreendimentos comprometidos com a geração de oportunidades e o desenvolvimento sustentável de Minas Gerais”.

Desde então, alinhado às diretrizes do Governo Aécio Neves, o BDMG adotou a estratégia de focar sua atuação no compromisso com a inclusão social e com o desenvolvimento sustentável, o que se refletiu no apoio a projetos importantes para o Governo do Estado.

Exemplos dessa perspectiva são as liberações para médias, micro e pequenas empresas que somaram R$ 353,7 milhões, 29% a mais que 2008 utilizando, cada vez mais, recursos de risco próprio, provenientes do capital do banco e também de repasses, modalidade que teve um acréscimo de 365% (R$ 168,4 em 2009 milhões contra R$ 36,2 em 2008) em comparação com 2008. Também no ano passado o BDMG aumentou em 46% os repasses do BNDES, liberando R$ 251 milhões, contra R$ 172 milhões no ano anterior.

Também o valor desembolsado para regiões consideradas de baixo dinamismo no território mineiro ultrapassou a meta estipulada para 2009, totalizando R$ 74,2 milhões liberados. Outra meta cumprida foi o apoio a 25 projetos com externalidades ambientais positivas, ou seja, atividades que apresentam resultados, não apenas econômicos, como produtividade e lucratividade, mas também sobre o bem-estar das pessoas e a qualidade do meio ambiente.

Na esfera pública, o BDMG ampliou seu engajamento nos projetos estruturadores do Estado, apoiando três deles: Parcerias para Provisão de Serviços de Interesse Público (as PPPs); Lares Geraes e Promoção e Atração de Investimentos Estratégicos das Cadeias Produtivas e Empresas Âncoras.

Segundo avalia o presidente do BDMG, “2009 foi um ano de muito trabalho, mas muito proveitoso em termos de avanços e resultados. Temos certeza que agora, em 2010, o banco se firmará como o principal braço financeiro do Estado no estímulo ao crescimento e diversificação da economia mineira, sempre focando seu apoio a projetos que efetivamente contribuam para a geração de oportunidades e a preservação dos recursos naturais. Queremos fazer do desenvolvimento uma ferramenta de inclusão social e sustentabilidade”, concluiu.

Comente e publique no Facebook

Comentário(s)

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous post

Datafolha: Saúde, violência e combate à corrupção são as áreas mais críticas do Governo Lula

Next post

Governo Aécio Neves esclarece: reposicionamento de servidores ocorrerá apenas em 2010 - regulamentação não substituíra avaliação por produtividade