Cemig vai instalar em Sete Lagoas a maior usina de energia solar da América Latina

Cemig investe na maior usina solar da América Latina

Fonte: Martha San Juan França – Brasil Econômico

Unidade de 3 MW terá capacidade para atender até 3 mil residências e será uma das primeiras integradas à rede elétrica

Na corrida para iniciar a produção comercial de energia solar no país, a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) sai na frente e promete colocar em funcionamento em novembro a maior usina desse tipo da América Latina, no município mineiro de Sete Lagoas. É uma das primeiras a ser integrada à rede pública convencional. A usina terá capacidade de 3 MW, o que significa que vai gerar energia elétrica suficiente para abastecer até 3 mil residências.

O custo será de R$ 25 milhões, dividido igualmente entre a Cemig e a Solaria, empresa espanhola fornecedora de painéis fotovoltaicos. Sete Lagoas foi a cidade escolhida por sua localização próxima da capital, Belo Horizonte, além de apresentar um índice de radiação satisfatório, e por concentrar ações do projeto Cidades do Futuro, por meio do qual a Cemig está testando a automação das redes de distribuição e modernização do sistema elétrico.

Outras unidades geradoras de energia solar estão sendo construídas no Brasil (leia ao lado), mas a de Sete Lagoas, além de ser a maior, está sendo viabilizada dentro de umamplo projeto de pesquisa da companhia energética. Para o presidente da Cemig, Djalma Bastos de Morais, trata-se de um projeto estratégico. “A Cemig sempre procurou novas alternativas de energia”, comenta. “Com a decisão da empresa de expandir, é necessário que ela entre de formamais firme nessa área.”

Bastos de Morais diz que, além da usina de Sete Lagoas, a Cemig está instalando geradores fotovoltaicos na cobertura do estádio do Mineirão que está sendo reformado para a Copa de 2014.

Segundo Niels Kleer, diretor de operações da Solaria Brasil, “o projeto de Sete Lagoas é um grande avanço pela forma cuidadosa como está sendo concebido, mas é apenas um começo diante do enorme potencial do país”. Por enquanto, a experiência nacional se resume a pequenos sistemas isolados que utilizam geração a bateria destinados a escolas, cooperativas e áreas rurais. A título de comparação, o país utiliza de 2 a 3 MW por ano de energia fotovoltaica, enquanto a Alemanha, por exemplo, usa 15 MW por dia, sendo 99% integrado à rede.

Kleer afirma que governo, iniciativa privada e universidades começam a buscar soluções para fortalecer negócios na área de fotovoltaicos, levando emconta aspectos como a regulamentação pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a forma de comercialização com geração distribuída e os modelos de leilão, que foram bem-sucedidos no caso da energia eólica.

Em Sete Lagoas, além disso, serão realizadas pesquisas sobre o impacto no sistema de distribuição, durabilidade dos equipamentos, sistema de proteção contra descargas atmosféricas, estratégias de compra e venda de energia e análise do custo benefício. “Acreditamos que este será o maior parque fotovoltaico e um dos mais completos laboratórios de pesquisa desse sistema no Hemisfério Sul”, afirma Bruno Marciano, gerente do projeto.

Embora a energia fotovoltaica seja quatro vezes mais cara que a hídrica, Marciano acredita que na ponta do consumo está se tornando competitiva. Ele conta que a usina de Sete Lagoas vai ocupar uma área de 6 hectares cedida pela prefeitura e será dividida em três unidades. A maior com capacidade de 2,5 MWserá comercial, a segunda testará novas tecnologias como a do Mineirão, e a terceira será totalmente para pesquisa.

Comente e publique no Facebook

comentários

1 Comentário… add one

  • nf 18/04/2011, 15:14

    Parabens a CEMIG, à SOLARIA e ao governo de Minas Gerais. Esperamos que o estado lidere com força e liderança o uso da energia solar em todas suas aplicações.
    O artigo ia bem até que falou-se preços: é importante lembrar que a energia solar não é mais cara e sim mais barata..a conta feita pelo gerente do projeto deve passar pelo antiquado modelo de cálculo de energia..lembrando que a energia hidrica será construida na Amazonia( e torcemos para que não seja , pois alem dos custos associados temos a irresponsável ocupação de uma região como esta).. e mais a energia tem de ser trasmitida em elevadissima tensão ( perdas de 15% no minimo em nosso sistema de transmissão), distribuição e ai sim nos consumidores podemos consumir a energia.. portanto é óbvio e nao precisa nem fazer cálculo nem ser expert no assunto para concluir que a energia solar, gerada ali, no local de consumo em pequenas usinas ( cidades do futuro)) são mais baratas, economicas, sustentáveis,eficientes, seguras e deixam um marco positivo para as futuras gerações. Esperamos que o governo de minas tenha energia e inteligencia para entender isto e permitir à seus cidadãos gerarem energia e serem sócios do estado de Minas, inclusive refutando a regulação e planejamento energético nacional incapaz e mal feito… O estado de Minas deveria liderar o processo de retomada do controle da politica energética o quanto antes e mais do que isto permitr a todos gerarem sua propria energia, de forma segura, limpa e usando o recurso mais disponivel e abundante que é o Sol… obvio.. Minas sai na frente mas tem de pensar como um estado do futuro… nem venham com papinho de nuclear, termicas sujas e novas hidrelétricas megalomaniacas.. venham com projetos inteligentes geradores de renda, emprego, novas empresas ,etc.. Minas pode e deve se focar em ser polo de energia solar na América Latina como estratégia energética.

    Reply

Comente

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE
Your SEO optimized title page contents