CulturaDepoimento

Affonso Romano de Santanna fala sobre o Ministério dos Sonhos e o papel de Minas em ajudar a construir o futuro

Nos degraus do palácio

Fonte: artigo Affonso Romano de Santanna – Estado de Minas

Assentei-me num dos degraus da entrada do Palácio da Liberdade. José Murilo de Carvalho – esse notável historiador – estava em pé. Disse-lhe: “Senta que isso também é história”. Ele assentou. Vínhamos de uma intensa reunião lá dentro. Sentar na escada, sobretudo de um palácio, é uma temeridade. Apareceu Ziraldo e foi alegremente se ajeitando no degrau. Daí a pouco apareceu Tadeu Barreto, responsável pelas estratégias do governo Anastasia, e se sentou. E Andréa Neves, com sua inquieta criatividade, também se assentou conosco. Não sei se o Giovani Gãvio, que jogou 414 vezes pela Seleção de Vôlei, estava ali, nem quantos éramos naquela manhã de sol, quando até Álvaro Teixeira da Costa, dos Associados, convocado, uniu-se à assembleia dos sentados na entrada do palácio.

Bem, nessas alturas, eram também inúmeros os fotógrafos e cinegrafistas que nos flagravam como um bando de colegiais no dia da formatura, simplesmente sentados nos degraus de entrada do palácio. Quem passasse ao largo talvez achasse estranho aquelas pessoas ali. Não mendigávamos. Ao contrário, estávamos ali para dar, para oferecer, para contribuir para um novo plano estratégico que integrasse ainda mais governo e sociedade.

Aquele era um bando de sonhadores inveterados. Não é à toa que, entre empresários e administradores, ali também estivessem, por exemplo, o estilista Ronaldo Fraga, o cantor Samuel Rosa, do Skank, Fernando Brant, Teresa Santos e Ângelo Machado.

Durante um seminário informal, lá dentro do palácio, havíamos ouvido as pesquisas feitas por Carla Manyuni sobre o tema “Com o que sonha hoje o jovem brasileiro?”. Não é de hoje que se tenta dar concretude aos nossos sonhos. Durante a ditadura, propus que se criasse o Ministério dos Sonhos, para saber o que queria o povo brasileiro, pois Dops e SNI não davam conta disso.

Enquanto a Europa, em crise, treme nas bases, enquanto os EUA perdem terreno para a China, o Brasil vive, apesar da corrupção e da violência, um momento raro de esperança. Minas tem um papel especial nisso. Não apenas porque ajudou a forjar o passado da nação, mas porque tem agora condições excepcionais para sonhar o futuro.

Afinal, é preciso sonhar para que o real se realize.

Comente e publique no Facebook

Comentário(s)

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Previous post

Dia de Minas: Anastasia critica crise nos Transportes, lamenta atraso nas obras das BRs e responsabiliza o Governo Federal

Next post

Aécio Neves em artigo: 'troca de opiniões e ideias nas redes sociais dá a dimensão da enorme vontade de participação popular nas decisões'